domingo, 15 de janeiro de 2017

14ª parte - Perdoar é algo sublime e eterno!

A conversa

            - Filha, eu e o seu pai queremos conversar com você.
            - Sim, mãe. O que vocês querem falar?
            Eles se sentaram no sofá da sala, os pais de Juliana sentaram juntos na poltrona maior e Juliana logo a frente deles na menor. Ela olhou para eles esperando para ouvir, até pensou que fosse alguma repreensão.
            - Querida, nós ficamos muito felizes de você ter nos convidado para assistir sua peça, queríamos falar com você há algum tempo, mas não sabíamos como. Notamos uma mudança na sua vida e isso nos deixou muito felizes e ao mesmo tempo curiosos para saber o que teria provocado isso.
            Juliana ficou assustada olhando para eles, ela sempre quis que os pais fossem a igreja com ela, mas não tinha idéia que eles queriam ir, ela tinha medo de convidá-los. Nesse momento o pai começou a falar.
            - No início eu fiquei muito preocupado com você. Fiquei com medo também, pois ouvia os outros falarem que igreja evangélica fazia lavagem cerebral e só pedia dinheiro. Então fiquei observando pra saber se você levava dinheiro pra lá. Mas ao contrário você mudou bastante em casa e eu e sua mãe começamos a conversar sobre essa mudança e ficamos curiosos para conhecer o lugar onde você estava indo, todo o sábado e domingo.
            O silêncio tomou conta do lugar, os olhos da Juliana se encheram de lágrimas, a mãe também estava chorando, por alguns segundos ficaram se olhando tentando entender aquele momento de diálogo que há muito tempo não existia entre eles. Foi a Juliana quem quebrou o silêncio.
            - Vocês são muito especiais pra mim. Por muito tempo nós brigávamos muito, por isso quando comecei a ir à igreja pensei que vocês não iriam aprovar, por isso não os convidava para ir comigo. Até tentei algumas vezes. O meu medo era não ser aceita, ou vocês me proibirem de ir, essas coisas. Mas estou muito feliz! Muito feliz mesmo.
            A mãe de Juliana estava chorando e o pai a abraçou e disse:
            - Nós também estamos felizes, filha. Queremos ir à igreja com você todos os domingos, precisamos entender muita coisa, mas sei que com o tempo vamos aprender. E nós queremos nos desculpar.
            - Desculpar. Juliana ficou pensando. Por quê?
            Nesse momento a mãe começou a falar.
            - Muitas vezes nós só brigávamos com você, gritávamos, pois estávamos perdidos com a mudança pela qual você estava passando. Nunca paramos para te ouvir, para conversar, como estamos fazendo hoje. Perdoa-nos filha, erramos. Mas erramos com a intenção de acertar, nós amamos muito você.
            Foi inevitável segurar as lágrimas e aos prantos Juliana foi até os pais e os abraçou e disse que os amava muito e que ela também precisava pedir perdão, pois por muitas vezes mentiu pra eles. O pai também chorou e foi um momento maravilhoso e cheio de emoção. Mas o que moveu aquele momento e o fez único foi a presença de Jesus naquela família.
            A partir desse dia muita coisa mudou na casa da Juliana, ela e os pais começaram a conversar mais, ainda havia algumas brigas. O irmão continuava pentelhando, mas Juliana começou a ter um pouquinho de paciência com ele. Porém de vez em quando ela gritava e ficava muito brava.

             Na escola, algumas mudanças...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe suas palavras nesta Torre!