quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

A Casa


Rio de Janeiro , 1970

Era uma casa
Muito engraçada
Não tinha teto
Não tinha nada
Ninguém podia
Entrar nela não
Porque na casa
Não tinha chão
Ninguém podia
Dormir na rede
Porque a casa
Não tinha parede
Ninguém podia
Fazer pipi
Porque penico
Não tinha ali
Mas era feita
Com muito esmero
Na Rua dos Bobos
Número Zero.

domingo, 5 de janeiro de 2014

Viver por Ti


Num lugar esquecido deixei minhas lembranças
Para que não insistissem em voltar
Peguei-me andando no caminho da esperança
E aconteceu...

As lembranças me encontraram e trouxeram com elas
Aquela dor que provoca lágrimas e também uma sublime sensação
De alegria pequena ao relembrar os momentos
O lugar esquecido...

Voltou à memória, mas com formato diferente
Agora guardo as lembranças
Para que não se escape de mim, pois já não são más
Elas fazem parte...

As escolhas que eu fiz e ainda faço
Os lugares que eu vou e quero ir
São frutos dos acontecimentos e inundaram a minha vida
Mesmo não escolhendo o que eu vivi.

Mas eu escolhi como encará-los, como deixar que eles me afetem
Eu escolhi aprender ou lamentar
Eu escolhi ser forte ou desistir
Eu escolhi.

Se não fossem as fatalidades, teria escolhido outros caminhos
Porém elas vieram e não fiquei lamentando
Segui em frente e te encontrei
No caminho você me viu
E EU  te escolhi!

Por te escolher, estou aqui
Por te escolher aprendi que fui escolhida, primeiro por Ti
Eu aceitei a sua escolha
Eu disse sim ao seu chamado.

Não falo um eis-me aqui, por serem palavras nobres
Eu as declaro com razão, consciência, emoção
E vivo porque e escolho todos os dias

Viver por Ti!