segunda-feira, 28 de março de 2011

Parte só


Parte só, sem destino.
Vive o medo de cada menino
Não sente as emoções como eu sinto
O que ele acha lindo?

A arma, escopeta, a venda;
Contos de fadas, nem lembra.
Seus heróis são os traficantes
Na escola da favela vai avante.

Parte só, sem destino.
-          Anda, anda menino.
-          Olha lá na frente
-          O sol está tão quente.

Quem vai contar sua história?
-          Olha para mim, olha!
Acaba de ver a verdade
Tudo o que faz é maldade.

Parte só, sem destino.
Chora o pequeno menino
O que pra ele era sonho
Para os outros era realidade.

Maldade, que maldade?
-          Qual a sua idade?
-          Não sou mais menino.
-          Choro, choro por meus pequeninos.

Parte só, sem destino.
O homem com um menino
Nasceu e morreu
Nem houve triste Adeus.

-          Menino, Menino...
Cadê o homem, menino?
Que homem, memória?
Ninguém vai contar sua história.

Vai acabar na cadeia
Canibais na aldeia
Matam, mas não comem.
Não foi tratado como homem.

Parte só, sem destino.
A vida daquele que não é mais menino
Que vai embora
Quando a bala estoura.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe suas palavras nesta Torre!