sábado, 12 de março de 2011

História em Capítulos - capítulo 5

Mas agora, era tudo diferente, havia um fantasma que nos perseguia: O Medo. Medo de perder novamente. Todo cuidado era pouco, logo todos ficaram sabendo que estava grávida novamente, resultado: duas semanas depois, antes de ir para uma pizzaria com o Chris e a Mari, fui ao banheiro e vi que estava com sangramento, muito mais forte que daquela vez que havia perdido o bebe. Comecei a chorar naquele momento e falei para o Gustavo, vamos para o pronto socorro. No carro fui chorando até chegar ao hospital. O Gustavo avisou a Mari e o Chris que não iríamos e o que havia acontecido. Cheguei no hospital Vera Cruz e fui atendida rapidamente, quando saí da triagem com a enfermeira os nossos amigos estavam no hospital, não agüentei e comecei a chorar novamente quando abracei a Mari. Fui para o consultório, o médico me examinou e lá vai eu fazer um ultrasson novamente. Meu coração estava acelerado, que vontade de chorar, de berrar, mas estava firme, segurando minhas emoções. Atenta a tudo o que o médico falava e tentando não me desesperar. Eu falava para mim mesma. Firme, Lara, calma, Deus está no controle. Calma.
Eu precisava controlar minhas emoções. Não foi fácil.
Quando o médico colocou o aparelho de ultrasson no útero e eu consegui ouvir o coração de um ser de 6 semanas batendo... Nossa... ele está bem, pensei. Ele está vivo. Eu não perdi. O médico foi conversando comigo, falando como estava e me consolando. Ufa!

Saímos do hospital e pudemos ligar para as pessoas falando que estava tudo bem e que eu precisaria fazer repouso.

Isso aconteceu em um sábado, na sexta-feira anterior eu tinha dado altas gargalhadas com um grupo de amigos que estavam em casa, eles até pensaram que me fizeram rir demais e por isso eu tive, o que chamam de descolamento de placenta. Bom, depois disso, quando esses amigos vinham em casa, eu não podia rir. Tinha que me controlar! Piadas atrás de piadas, a Adriana era quem mais me fazia rir com os comentários dela, e eu tentando rir de forma discreta. Impossível, quem me conhece, os alunos que o digam. Sabem que rio igual uma doida, minha risada não é discreta, longe disso, parece... parece.... sei lá o que parece, só sei que é bem escandalosa. Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe suas palavras nesta Torre!