segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

Dor


Primeiro quero agradecer aos dois amigos que responderam a minha pergunta! Valeu!

Agora quero caminhar por rios obscuros e de difícil acesso, a perda!
E só o faço para dar sentido a algo que não tem sentido algum, para poder pisar nas pedras pontiagudas com alguma proteção e para que a dor não seja tão intensa a ponto de desfalecer.
Olhe para você, para as suas mãos, seu corpo, para o seu rosto refletido no espelho. Olhe pra você. O que você vê denuncia quem você é? O que você vê refletido no espelho diz claramente o que pensa, o que sente, seus pecados, suas cicatrizes, suas mudanças?

Não, certamente que não, mas ao se olhar com esse olhar profundo, você pensa, você recorda, você vê o que não consegue enxergar. Quando pensamos em nós e paramos realmente para nos entender, iniciamos um processo de mudança. E só fazemos isso se não estamos na mediocridade, se algo muito diferente aconteceu, geralmente algo ruim. A dor nos leva a pensar, repensar, mudar, entender.

E perder?

Como é perder aquela pessoa que está aqui do seu lado, como é perder aquela pessoa tão diferente de você, que às vezes não concorda contigo, que ri de você, que te abraça, brinca, briga, corre, dorme com você?

Não há explicação para perguntas que provocam tanta dor e, cada um vai reagir e encarar tudo isso de uma forma diferente.
Chorem. Gritem. Corram. Fique um dia todo parado olhando pro horizonte tentando buscar um caminho para percorrê-lo. Durmam, se escondam, andem sem rumo e depois voltem para viver. Para marcar, amar, sonhar, chorar, se entristecer, perder, ganhar.

Não se explica dor, não se explica tragédia. Vive intensamente e faz reflexões tão profundas que podem ir embora à próxima estação ou gerar mudanças tão drásticas que então se inicia um novo tempo, que até então não se tinha sonhado!

E, então se descobre que você poderia fazer algo tão grande, tão deslumbrante e que sempre esteve contigo, mas as coisas “boas” te impediam de ir além e você dá sentido ao viver diário, ao caminhar e percebe que da dor surgiu algo maravilhoso. Percebe que no meio da lama, da sujeira nasce uma flor tão esplêndida, brota algo tão radiante que muda o rumo da história. Uma semente lançada no meio de um coração despedaçado e que regada com lágrimas, cresce e frutifica!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe suas palavras nesta Torre!